Siga-me é obrigatório e sem limites. Pesquisa demonstra sobrecarga de horas

charge claudio duarte sinjusc home office

Muitos relatos de sobrecarga de trabalho, sobretudo com a extrapolação das 7 horas de expediente. Esta informação foi confirmada na pesquisa de teletrabalho/home office, cujo dados serão expostos hoje, logo mais na Live pelo Facebook, às 18h. Umas das principais causas são problemas com o SIGA-ME.

O sistema está sendo utilizado em todas as comarcas e direciona para o celular particular do servidor as ligações efetuadas ao número fixo da vara/comarca. No entanto, o sistema não está configurado para transferir as ligações somente no horário de expediente (das 12h às 19h).

E a grande questão é que advogados e partes fazem contato durante o dia todo. Há relatos de servidores que ficam disponíveis das 8h às 22h, quase uma jornada dupla e sem receber por isso! E isso reflete o caso que estamos percebendo na rotina de trabalho dos servidores, que é a temporalidade. Em home office, qual é o tempo do trabalho? Este tema precisa ser debatido pelo Tribunal de Justiça juntamente com os servidores.

A produtividade no judiciário catarinense cresce, mas à custa de quem? Em que medida a saúde dos servidores está sendo levada em consideração? Como serão computadas as horas excedentes? Como se dará a remuneração das horas trabalhadas além da jornada? São muitas as questões que precisam ser avaliadas para este “novo normal” que vem por aí.

“O telefone não para. É o tempo todo. Ignorar a ligação não resolve o problema porque elas vêm no nosso celular particular. É uma pressão todo dia. O Tribunal reclama que as pessoas ligam para os fóruns e não conseguem atendimento, mas não perguntam quantas horas trabalhamos por dia”, indaga um trabalhador que teve a identidade preservada.

Conforme dito, a pesquisa de trabalho apontou que 48,6% dos respondentes recebem mensagem fora do horário de expediente e quase 50% extrapolam sua jornada diária de trabalho. Mais dados como este serão apresentados hoje. Não perca!

Na circular Nº 146 de 22/05/2020, o Tribunal fala da obrigatoriedade da funcionalidade “siga-me” nos ramais telefônicos internos das comarcas, de modo a não interromper o atendimento externo”, menciona por várias vezes o expediente normal (12h às 19h), mas não há nenhuma orientação sobre os limites do atendimento.

Até o momento, a Diretoria de Tecnologia da Informação (DTI) não limita via sistema e de forma automática os horários de ligação do SIGA-ME, logo o servidor teria que manualmente e todo dia, programar/desprogramar a função, caso quisesse o mínimo de respeito a sua jornada (12h às 19h). O que fica inviabilizado pois a programação se dá junto ao telefone fixo.

Estamos compilando todos relatos e reunindo com os dados da Pesquisa sobre home office/teletrabalho, demonstrando ter mais subsídios para tratar do home office/teletrabalho que o próprio Tribunal, que pouco mostrou até agora sobre o tema.

Esperamos que a Administração do Tribunal inicie também seus estudos e venha debater com o sindicato. Afinal, a disposição do diálogo deve transcender a “Palavra do Presidente”. Nós, efetivamente, estamos buscando diálogo. Também vamos oficiar a DTI para que se faça a programação da limitação dos horários de transferências das ligações, pois há tecnologia para isso.

3 Comentários

  1. Essa é uma boa oportunidade pra rediscutir o retorno às 6 horas de trabalho, pra cobrir a demanda que se mostrou dos jurisdicionados – ao longo do dia – e também colocar em pauta a possibilidade do home office se estender, de forma permanente, a grande parte do serviço oferecido, deixando o trabalho presencial para casos excepcionais (em turnos na modalidade presencial rodizio). Isso colocaria no debate, igualmente, a qualidade de vida do servidor, aproveitando as lições trazidas pelo advento da pandemia.

  2. Eu acho que a hora agora é de lutar por dois turnos de seis (6) horas. Iria beneficiar as partes, Advogados, Servidores e com menos custo para o TJ.

  3. Diante do atual quadro, também acho mais que oportuno retomar e reforçar a pauta da jornada de seis horas diárias de expediente. Não seria só um meio de compensar as perdas salariais previstas, mas uma medida econômica eficaz de redução de despesas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *