Reforma da previdência afetará todos

Reforma da previdência afetará todos

A proposta de “reforma” da Previdência foi entregue ao Congresso Nacional nesta tarde (20/02) e prevê aumento da idade, aumento do tempo de trabalho e de contribuição, e também diminuição do valor do benefício. Também está previsa o fim da previdência solidária entre gerações. A proposta afetará todos que trabalham no judiciário catarinense.

O Instituto de Previdência estadual (IPREV/SC), já determina que homens trabalhem até os 60 anos de idade e tenham no mínimo 35 de contribuição. Nossas regras já são duras e determinam que o teto do funcionalismo público, para os que ingressaram após a criação do IPREV, seja o do limite da previdência pública (INSS). Mas nada é tão ruim que não possa piorar e a proposta de “reforma” da Previdência que hoje se apresenta demonstra isto.
O texto prevê mudança da regra geral com o aumento da idade para homens (65 anos) e mulheres (62 anos), além de ampliar para 40 anos de trabalho e contribuição, ao invés dos 35 anos exigidos hoje. Também está prevista a implantação do regime de capitalização, o que não garante de fato a aposentadoria, mesmo se cumpridos todos os requisitos.

Diante do prejuízo iminente para toda a categoria, a direção do SINJUSC desde já irá atuar em defesa dos trabalhadores participando do calendário das entidades sindicais, Centrais e Federação, para resguardar o direito de quem deseje lutar pela sua aposentadoria. Com isso, dá cumprimento ao deliberado na Assembleia Geral de 2018, em Balneário Camboriú. Ainda assim e para democratizar o processo, a direção do SINJUSC já informa à categoria que convocará Assembleia Geral para o próximo mês de Março para tratar deste e de outros assuntos (edital ainda em construção), na qual serão deliberadas ações sobre como enfrentar a reforma.

É importante que a categoria acompanhe as notícias do Sindicato e esteja atenta para todos os elementos que afetarão profundamente nossas vidas num futuro próximo. A “reforma” do governo Temer conseguiu ser barrada em 2017 e 2018 com atuação dos trabalhadores em Brasília e novamente teremos que nos organizar para evitar mais esse vilipêndio aos nossos direitos.

Reforma da Previdência, é necessário se organizar para enfrentar.

7 Comentários

  1. Eu sou a favor da nova previdência. Parem de reclamar e mostrem alternativas para equilíbrio das contas. Só sabem reclamar.

  2. Temos que nos mobilizar o quanto antes. Agora é tempo de se unir senão morram trabalhando. Com tantas adversidades que se têm, as pessoas não conseguem nem chegar até os 55 anos de idade para mulher ou 60 para homem sem adquirir alguma doença, imagina o tempo que eles estão exigindo e isso tudo por nada, porque a reforma não é necessária. São muitos os desvios de valores para outros fins, a inadimplência dos empregadores e a falta de contribuição do próprio Estado e o povo ainda tem que se sacrificar.

  3. A previdência social no Brasil é tão recente e já sendo desmontada ( acredito que tenha uns cem anos, começou com as caixas de aposentadoria dos ferroviários, dos correios…) Visualizo um cenário bem ruim, de empobrecimento de todos com esta nova previdência. De cada família tendo que dar conta de seus idosos ( sem amparo da previdência social).
    Com a idade mínima mudando constantemente acredito que nunca alcançarei aposentadoria. Pago por esta proteção mas é bem possível que não poderei usufruir dos benefícios contratados (…).
    O governo não soube zelar pelo dinheiro da previdência quando esta era lucrativa, a maior parte da população era jovem. Existem notícias que usou o dinheiro da previdência para outros fins como a construção de Brasília, da Usina Hidrelétrica de Itaipu (…). E agora temos que pagar a conta…
    Visualizo também muito interesse dos bancos em venderem planos de previdência…
    Com a aposentadoria das pessoas sendo postergada menos mulheres disponíveis para cuidar das crianças e dos idosos nas famílias. Num cenário onde falta vaga em creche para crianças e para idosos nem existe. Bem ruim para as famílias brasileiras (…).
    Andréia/Palhoça

  4. A previdência social no Brasil é tão recente e já sendo desmontada ( acredito que tenha uns cem anos, começou com as caixas de aposentadoria dos ferroviários, dos correios…) Visualizo um cenário bem ruim, de empobrecimento de todos com esta nova previdência. De cada família tendo que dar conta de seus idosos ( sem amparo da previdência social).
    Com a idade mínima mudando constantemente acredito que nunca alcançarei aposentadoria. Pago por esta proteção mas é bem possível que não poderei usufruir dos benefícios contratados (…).
    O governo não soube zelar pelo dinheiro da previdência quando esta era lucrativa, a maior parte da população era jovem. Existem notícias que usou o dinheiro da previdência para outros fins como a construção de Brasília, da Usina Hidrelétrica de Itaipu (…). E agora temos que pagar a conta…
    Visualizo também muito interesse dos bancos em venderem planos de previdência…
    Com a aposentadoria das pessoas sendo postergada menos mulheres disponíveis para cuidar das crianças e dos idosos nas famílias. Num cenário onde falta vaga em creche para crianças e para idosos nem existe. Bem ruim para as famílias brasileiras (…).
    Andréia/Palhoça

  5. Murilo
    Ninguém com o mínimo de bom senso seria contrário às reformas trabalhista e previdenciária.
    Contudo, não nos moldes implementadas, permeadas de mentiras e injustiças.
    Questionam a apresentação de alternativas?
    -Revisão de isenção de multas e juros em cifras bilionárias para grandes devedores do sistema previdenciário e concessão de longos prazos para pagá-las concedidas pelo Sr. Temer que, em prática fisiologista recorrente, “comprou” o engavetamento de peça acusatório em trâmite na Câmara Federal.
    -Igual participação das Forças Armadas, Justiça e Ministério Público, a primeira, com projeto particularizado a ser enviada ao Congresso e, conforme já se anuncia, generoso: os seguintes, da Reforma excluídos;
    -Melhor competência na gestão macroeconômica, promovendo a criação de empregos, recolocando uma massa de 12 milhões de desempregados no Mercado de trabalho e retirando da informalidade, contigente ainda maior de trabalhadores que estariam recolhendo tributos previdenciários, minimizando sobremodo o déficit previdenciário.
    -Enxugamento de custos no Legislativo, conduzindo-o a níveis de descência e com respeitabilidade ao sacrifício do contribuinte que os recolhe tributos a duras penas…
    -Só esta Câmara Federal custa ao contribuinte a bagatela de 28 milhões de reais por dia ;
    -Diminuição da máquina estatal, estruturada historicamente para acomodar apadrinhados e afiliados políticos-partidários, sagrando ainda mais o erário e inviabilizanda a gestão pública por flagrante sujeição ideológica a partidos e empresas que os financiam;
    Some-se tudo isto dentre outros, e implementar-se-á uma Reforma Previdénciária descente, sem que se penalize a sociedade de forma tão sórdida, mentirosa e perversa como pretendem.

  6. Prezados André Almeida e Marcelo! Eu respeito a opinião de todos, mas os comentários de vocês são tão chocantes que fica difícil de acreditar que tenham sido escritos por trabalhadores. Vocês já pararam para analisar todos os pontos dessa reforma e o quanto ela prejudicará as pessoas? Todos que estão na ativa serão prejudicados.
    Muita gente está se deixando levar por essas mentiras contadas pelos últimos governos (e não estou aqui acusando Direita ou Esquerda) e por quem tem muito interesse em aprovar esse absurdo.
    Ano passado o Senado finalizou a CPI da Previdência e provou, por A + B, que a Previdência não é deficitária. Pelo contrário, é superavitária. Ocorre que a gestão dessas verbas não está sendo feita de forma adequada e justa. Somente a dívida dos grandes devedores, que jamais será cobrada, já seria suficiente para cobrir o suposto rombo da Previdência.
    O problema é que essas informações não chegam ao conhecimento do grande público porque não interessa à imprensa e aos interessados na aprovação da reforma divulgá-las.
    Sinjusc, os servidores apoiam essa luta!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *